Preste atenção em seus hábitos para diferenciar manias, tiques e TOC




Bater três vezes na madeira, entrar com o pé direito, não passar embaixo de escada ou ter medo de quebrar um espelho são superstições manifestadas por muita gente. Mas, quando essas atitudes viram hábitos, tiques ou TOC (transtorno obsessivo-compulsivo), começa o problema.


Pode ser uma mania de limpeza, de piscar, roer as unhas, fazer barulhos com a boca, manter os objetos simétricos ou verificar várias vezes se a porta está fechada. As donas de casa reclamam muito desses hábitos que parecem compulsão, principalmente os relacionados à limpeza e à arrumação doméstica. Mas um ato só se torna doença se o que motiva o indivíduo é uma obsessão ou um pensamento muito forte.


Segundo os médicos, deve-se evitar falar diretamente para uma pessoa que ela tem tique. Algumas podem se ofender ou se irritar com esse tipo de comentário.

Por isso, é sempre bom procurar a família do paciente, que tem mais condições de dar apoio e, certamente, já percebeu o problema. Além disso, o tique é um problema com um fator genético envolvido.


Alterações emocionais, como nervosismo, estresse, cansaço ou falta de sono, podem piorar transtornos psiquiátricos. Isso porque a instabilidade aumenta a adrenalina descarregada no corpo, o que pode provocar uma crise de tiques.


Alimentos estimulantes, como café, chá verde ou preto, chocolate e guaraná em pó, podem estimular o efeito da dopamina no cérebro. Com isso, a pessoa fica mais tensa e acelerada, o que faz com que também haja um descontrole dos tiques.


Sinais de alerta 


Fique atento se uma atitude repetitiva começar a prejudicar a sua rotina. Um tratamento especializado – com um pediatra, neurologista, psicólogo ou psiquiatra, dependendo do caso – pode ajudar.


Tome cuidado também se você ficar muito ansioso por não fazer algo a que está acostumado: pode ser TOC. Um acompanhamento médico ajuda a diminuir essa sensação.


Se perceber que você ou alguém da sua família está desenvolvendo vários tiques ao mesmo tempo, sejam eles motores ou vocais, sobretudo antes dos 18 anos, pode ser a chamada síndrome de Tourette. Procure um especialista para avaliar o caso e indicar o tratamento correto.


5 dicas contra tiques e manias


1) Espere um ano 

No caso das crianças, apenas um em cada 20 tiques duram mais de um ano. Por isso, é importante esperar. Agora, se for algo que prejudica a sua saúde e sanidade, você pode ir a um especialista antes desse período.


2) Concentre-se 


Focar seus pensamentos costuma melhorar a maioria dos tiques, porque o corpo se volta para outra atividade e não dá brechas para o tique ser disparado.


3) Vá ao médico se a atitude prejudicar a sua rotina 


Existem remédios voltados para o bloqueio do descontrole hormonal que acontece no cérebro quando temos tiques. Ou seja, há soluções médicas para, pelo menos, diminuir os impulsos.


4) Durma bem 


Dormir mantém o corpo relaxado e tranquilo. Quando você se priva de sono, acaba deixando o organismo mais cansado e suscetível ao curto-circuito dos tiques. Um bom sono, portanto, ajuda e muito a controlar os impulsos.


5) Faça atividade física

Quando nos exercitamos, aumentamos a quantidade de endorfina disparada dentro do corpo. Isso faz com que fiquemos mais relaxados, com menos tensão e ansiedade. Ouvir música também funciona, pois tem efeito semelhante.