Computadores já dominaram um dos três tipos de consciência




A consciência é um conceito difícil de se identificar, mas um pequeno grupo de neurocientistas acabou de tentar fazer exatamente isso. O objetivo deles era determinar se estamos perto do grande objetivo da inteligência artificial – a autoconsciência artificial.
Por enquanto, a resposta é não. Mas eles apontam que ainda podemos construir nossas próprias mentes totalmente conscientes.

Um jeito “fácil” de definir a consciência é que ela é o conjunto de pensamentos e sensações que todos experimentamos pessoalmente. O que significa que ainda não temos uma maneira de estabelecer se ela existe em uma coisa, como um computador.

Assumindo que a consciência que damos como certa nos seres humanos é baseada nas mesmas leis físicas descritas em nossos livros didáticos de física e química, devemos ser capazes, teoricamente, de encontrar uma maneira de criar um modelo dela.

Esta foi uma das motivações do lendário Alan Turing, um dos criadores da ciência da computação. Sua resposta foi estabelecer as bases para o computador moderno. Turing sonhava com máquinas de computação universais que poderiam jogar xadrez melhor do que campeões do mundo – ele ficaria chocado pelo nível de inteligência artificial que temos hoje em programas como o AlphaGo e o DeepMind.

Mas por mais fantásticos que esses sistemas computacionais sejam, seus talentos extraordinários apenas se comparam com nossas próprias habilidades cognitivas – eles podem resolver problemas em velocidades ridiculamente altas, mas eles ainda não sabem que podem resolver problemas.

Mas será que poderíamos fazer alguns ajustes no futuro próximo para fazê-los acordar?

Para responder a isso, os pesquisadores quebraram a consciência em três categorias. Eles chamaram a categoria de C0 a mais baixa, comparando-a com a solução de problemas que nossos cérebros efetuam sem percebermos, que é o que acontece quando voltamos do trabalho sem nem pensar no caminho. Os computadores podem fazer isso suficientemente bem, como podemos ver na iminente revolução dos veículos sem motorista.

Mas é questionável se podemos chamar isso de “consciência” em qualquer sentido real, o que nos leva à próxima categoria, a C1. “Refere-se à relação entre um sistema cognitivo e um objeto de pensamento específico, como uma representação mental da luz do tanque de combustível”, escrevem os pesquisadores.

Na C1, esse objeto de pensamento é selecionado para o processamento global, movendo-o de um relacionamento estreito para um que pode ser manipulado em vários contextos. Essa luz de combustível intermitente pode ser modelada em C1, não apenas como um único problema, mas um conceito que pode ser avaliado, priorizado e resolvido – ou não – de forma temporizada.

A categoria final, C2, é como um chefe olhando para sua fábrica do alto de um mezanino, consciente das tarefas que estão sendo desenvolvidas. Abrange o que chamamos de “meta-cognição” – uma sensação de saber o que sabemos. C1 pode ocorrer sem C2, e vice-versa. Mas de acordo com os pesquisadores, nenhum dos sistemas possui um equivalente na inteligência das máquinas. Ainda não, pelo menos.

Os pesquisadores especulam que a C1 evoluiu como uma maneira de quebrar a modularidade dos processos de inconsciência. Os avanços recentes em microchips que podem tanto armazenar como processar informações da mesma forma que células cerebrais humanas podem potencialmente desempenhar esse papel de revolucionar a tecnologia modular existente.

Para que isso funcione, precisamos aprender mais sobre como nossos próprios cérebros criam seu próprio espaço de trabalho global – a arquitetura que dá origem ao que pensamos como nossa consciência.

Para desenvolver a tecnologia C2, os pesquisadores sugerem vários processos, como alguns que aplicam probabilidade de tomada de decisão e outros que possuem algum tipo de meta-memória para estabelecer uma linha entre o que é conhecido e o que não é.

Embora o relatório não forneça caminhos para a próxima geração de inteligência artificial, argumenta que é perfeitamente possível construir máquinas conscientes com base em nosso próprio hardware mental. Talvez tenhamos que esperar um pouco mais pelos replicantes de Blade Runner, mas parece que eles estão a caminho. [Science Alert]