Como a falta de regras influencia o comportamento humano.







O "Senhor das moscas" é um livro escrito por William Golding, vencedor do Prêmio Nobel em 1983. Foi adaptado para o cinema em 1963 por Peter Brook. É um dos mais expressivos estudos da natureza humana, contendo importantes reflexões sobre a civilização e o seu papel na formação do ser humano.


A história, muito conhecida, é sobre um grupo de garotos que, após um acidente aéreo, se vêem sozinhos em uma ilha deserta no Pacífico, sem a presença de um adulto. Embora a premissa pareça simples, o filme faz uma análise profunda do caráter humano e da relação entre o homem e sociedade.

No início a alegria é a nota dominante. Não há aulas, não há adulto, só há férias! Como se trata de uma ilha tropical sentem-se no paraíso. No entanto, é preciso lutar pela sobrevivência para conseguir alimentos, para se protegerem das condições climáticas e para avisar os possíveis socorristas de que estão vivos… Dividem-se tarefas, estabelecem-se objetivos, mas nem todos os elementos do grupo possuem a mesma motivação. Alguns não estão dispostos a aceitar as regras do jogo, mesmo que o que esteja em causa seja a sobrevivência.

A diferença de cada um em encarar essa busca pela sobrevivência é a causa de sérios conflitos e divisões. O mais interessante na história, é observar como cada um reage em um ambiente onde não há as regras e normas da civilização, nem adultos para estabelecerem essas normas. Num ambiente assim, em meio a uma selva cheia de mistérios e perigos, é muito fácil a força instintiva vir à tona. Com isso, o comportamento civilizado e baseado na razão do homem é tomado pelo instinto selvagem e pela “lei do mais forte”.

"O Senhor das Moscas", mostra os conflitos dentro da própria "psiqué" humana. Vale a pena assistir o filme, pois ele relata como que a falta de regras dentro de uma sociedade faz com que o ser humano se se rendam aos mais baixos sentimentos humanos e se transformaram em uma espécie de selvagens, praticando violências e assassinatos. E as crianças não estão isentas disto pois o filme retrata que o ambiente e a falta de controle adulto criaram nelas uma espécie de histeria coletiva, de voluntarismo para o brutal e o instintivo. 

Mas você pode falar que isto acontece apenas na ficção. Mas quem não se lembra do experimento realizado pela Universidade de Stanfort em 1971, por vários pesquisadores liderados por Philip Zimbardo ? 

Vinte quatro estudantes universitários participaram como voluntários assumindo papéis de guardas e prisioneiros numa área localizada no subsolo do departamento de Psicologia da universidade, simulando uma prisão. Essa experiência foi considerada um marco no estudo psicológico das relações humanas. O objetivo de Zimbardo era constatar “como indivíduos se adaptam a situações em que estão relativamente impotentes”. 

Não foi dada formação específica aos guardas para desempenharem o seu papel. Tinham liberdade, dentro de certos limites, para fazer o que pensassem que fosse necessário para manter a lei e a ordem na prisão e para assegurar o respeito dos reclusos. Os guardas elaboraram as suas próprias regras, que implementaram sob a supervisão do Director David Jaffe, um estudante de licenciatura da Universidade de Stanford. A princípio, os alunos que iam fazer os prisioneiros só sabiam que seriam “presos”.

O resultado? O experimento foi encerrado cinco dias após ter começado devido a tamanha brutalidade que os "falsos policiais" começaram a tratar os "falsos prisioneiros", mostrando que no final, onde cada um pode fazer o que quer, nos resta apenas a ética e a moral.


O relato completo do experimento você encontra aqui: http://www.prisonexp.org/portugues/


Fica para nós, psicólogos, os seguintes tópicos de discussão: 

1. A capacidade de liderança de cada individuo.

2. Todos nós temos a capacidade de motivar as pessoas, seja para o bem ou para o mal.

3. Como funcionam as relações humanas dentro de um grupo.

4. Um conjunto mínimo de regras torna mais eficaz o trabalho de todos.

5. A covardia em aceitar falsas propostas, só para não se ficar isolado.

6. A importância de manter a estratégia correta, apesar de impopular.

7. Ceder no essencial uma vez, é ceder para sempre.


O filme completo " O senhor das moscas", você encontra aqui: " O senhor das moscas"